Make your own free website on Tripod.com

 

ORIGEM DA ORAÇÃO ROSACRUZ

 

 

 

Na conferência sobre «The Mystery of the Holy Grail», publicada em folheto em 1909 e incluída no livro The Rosicrucian Christianity Lectures, editado postumamente em 1939, Max Heindel ao referir-se à eficácia da verdadeira oração previne-nos contra as orações de carácter egoísta, palavrosas e sem um verdadeiro amor pelo nosso próximo, que frustram a finalidade que uma oração deve servir. A oração genuinamente eficaz, pelo contrário, deve estar em perfeita harmonia com a Natureza de Deus, que é Amor. Em seguida conta como encontrara uma oração em forma de poema na revista London Light alguns anos antes*, e intitulou-a:

 

AN IDEAL PRAYER

(Uma Prece Ideal)

 

tendo-a conservado, desde então, como um tesouro inestimável. E, no texto dessa conferência, Max Heindel acrescenta:

«Este é o tipo de oração que eleva e enobrece, e quanto mais se cultivarem e mantiverem estas sublimes aspirações tanto mais se elevam os dois éteres superiores do corpo vital. Por isso as Igrejas dizem orai sem cessar, e nisso estão de acordo com os ensinamentos ocultos pois dessa maneira actua-se sobre o corpo vital pela repetição constante de aspirações elevadas. Antes de podermos seguir a Senda Oculta é absolutamente necessário que se afrouxem os laços que prendem os dois éteres superiores aos dois éteres inferiores, pois a condição para podermos funcionar sem perigo fora do corpo denso, é que saiamos envolvidos naqueles, deixando o corpo denso ao cuidado destes».

Esta oração foi adoptada por The Rosicrucian Fellowship para ser lida entre a conferência e o Hino de Encerramento, no Serviço do Templo. O original inglês consta de seis quadras, em versos rimados, o que perfaz um total de 24 versos. Sabemos que 24 é um número cheio de significado, e a musicalidade da poesia pode acordar ressonâncias especiais nas subtis regiões do 2.º e 3.º Céus. Como as traduções portuguesas que se conhecem são em prosa, fica prejudicado um componente importante, melódico e espiritual, ainda que os conceitos do conteúdo estejam correctamente traduzidos. O texto original, da professora, poetisa e pacifista americana Florence May Holbrook (1860-1932), é o seguinte:

 

 

                  Florence  May Holbrook (1860-1932)

 

 

A Prayer

 

Not more of Light I ask, O God,

But eyes to see what is;

Not sweeter songs, but ears to hear

The present melodies.

 

Not more of strength, but how to use

The power that I possess;

Not more of love, but skill to turn

A frown to a caress.

 

Not more of joy, but how to feel

Its kindling presence near,

To give to others all I have

Of courage and of cheer.

 

No other gifts, dear God, I ask,

But only sense to see

How best those precious gifts to use

Thou hast bestowed on me.

 

Give me all fears to dominate,

All holy joys to know;

To be the friend I wish to be,

To speak the truth I know.

 

To love the pure, to seek the good,

To lift with all my might

All souls to dwell in harmony,

In freedom's perfect light.

 

O Centro Rosacruz Max Heindel (Benavente, Portugal) empreendeu a grata tarefa de apresentar uma nova tradução, que, respeitando o conteúdo, ao mesmo tempo procurasse preservar a musicalidade dos 24 versos rimados do original:

 

 

ORAÇÃO ROSACRUZ

 

Não mais Luz, Senhor, Vos peço,

Mas olhos para ver a existente,

Nem canções mais doces; mas, se o mereço,

Ouvidos para ouvir o Som presente.

 

Nem mais forças, mas apenas como usar

O divino poder que já possúo;

Nem mais amor, mas o dom de transformar

Num gesto de carícia um esgar de amúo.

 

Nem mais alegria, Senhor, mas sim sentir

No meu íntimo a sua cálida presença,

Para poder aos demais distribuir

Quanto tenho de coragem e bem-querença.

 

Não mais dádivas, amado Deus, Vos peço,

Mas apenas o saber e a inspiração

De espalhar à minha volta com sucesso

As que tenho a transbordar do coração.

 

Infundi-me todos os temores para que os domine,

E todas as santas alegrias, para as conhecer,

A fim de ser o amigo certo que desejo ser,

E para que a chama da Verdade eu dissemine;

 

Sendo capaz de à pureza amar, e à bondade,

Para elevar com toda a alma e energia

Até à luz da mais perfeita liberdade

As demais almas, num empíreo de harmonia.

 

 

* Nota do Editor:

 

 Em 1884, Max Heindel, então Carl Louis Grasshooff viajou  para Glasgow . Nesta cidade ele conheceu sua primeira  esposa, Catherine Dorothy Wallace que trabalhava com litografia. Ela era natural de Glasgow, nascida em 4 de janeiro de 1869 e filha do fabricante de boilers James Barr e Mary Anne Wallace. Carl tinha apenas vinte anos quando se casou com esta jovem de dezesseis anos, em 15 de dezembro de 1885.

 

O casal deixou Glasgow e fixaram residência em Liverpool. Foi nesta época que Carl comprou uma cópia do periódico "London Light" e leu pela primeira vez o poema "A Prayer" de Florence May  Holbrook (1860-1932), que provocou uma profunda impressão sobre ele que jamais a esqueceu.

 

 

 

 

 

 

HOME

  ARTIGOS E ENSAIOS

    EXCERTOS DE OBRAS PUBLICADAS

 

Nota do Editor:

Nosso site é hospedado gratuitamente pela Tripod e sujeito aos banners colocados pelo hoster no topo de nossas páginas. Esclarecemos que não temos nenhuma ligação com os serviços anunciados através  de links nos  referidos banners  , mesmo em relação a propaganda de organizações com denominações semelhantes a Fraternidade Rosacruz, a qual o autor está associado.

António de  Macedo, autor  das "Paginas Esotericas" é probacionista filiado em The Rosicrucian Fellowship, associação fundada em 1909 por Max Heindel, na California, e não faz parte de outras organizações com denominações semelhantes.


 

Páginas Esotéricas por António de Macedo